Brasil solicita adesão à Agência Internacional de Energia Renovável

Tempo de leitura: 2 minutos

O Ministério das Relações Exteriores informou em nota que o governo brasileiro decidiu dar início ao processo de adesão à Agência Internacional de Energia Renovável (IRENA, na sigla em inglês).

A Agência foi inicialmente proposta em 1981, durante a Conferência das Nações Unidas sobre Fontes Novas e Renováveis de Energia, realizada em Nairobi, Quênia. Contudo, a instituição passou a funcionar somente em 2011, na cidade de Abu Dhabi, nos Emirados Árabes Unidos.

Seu objetivo principal é o de ajudar os país em sua transição para um futuro em que a energia sustentável será a principal matriz energética, oferecendo serviços e produtos que promovem a cooperação internacional, a pesquisa científica e recursos em matéria de políticas públicas, finanças e tecnologia para os Estados.

Dentre os materiais disponibilizados pela IRENA estão: avaliações anuais do emprego de energia renovável; estatísticas de capacidade de energia renovável; estudos de custo de energia renovável; avaliações de Preparação de Renováveis, conduzidas em parceria com governos e organizações regionais, para ajudar a impulsionar o desenvolvimento de energia renovável país por país; o Atlas Global, que mapeia o potencial de recursos por fonte e por localização; e estudos sobre benefícios energéticos renováveis.

 

Segundo o governo brasileiro,  “a iniciativa [de solicitação de adesão à IRENA] é demonstração da importância que o Brasil devota às energias renováveis, ao combate à mudança do clima e ao desenvolvimento sustentável, bem como ao engajamento construtivo na governança internacional”.

A nota emitida pelo Ministério das Relações Exteriores ainda afirma que “com a decisão de solicitar a acessão à IRENA, o Brasil reforça o seu engajamento na governança internacional da energia, dando continuidade a um processo que, apesar de recente, já levou, entre outros resultados, à assinatura de acordo de associação do país com a Agência Internacional de Energia, bem como ao lançamento da Plataforma para o Biofuturo, iniciativa multilateral para promoção da bioenergia, concebida e liderada pelo Brasil”.

 

Autor: Wilson Fernandes Negrão Júnior

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *